O artigo se propõe discutir a ética e o direito à informação a partir da história do homem e dos meios de comunicação. Toma por base a prática do jornalismo enraizado na ética como condição e não como alternativa. para o bom exercício da profissão. São abordados aspectos relativos à comunicação, com especial atenção à mídia impressa regional. Ainda somam-se questões co-relacionadas a atrelamento da imprensa regional aos poderes políticos e resistência à contratação de jornalistas formados. No texto, o interesse do leitor, o respeito ao jornalista formado e o debate sobre a conduta ética são tomados como pilares para a construção de uma nova mídia interiorana, em que o jornalismo represente não apenas um viés da democratização da informação, mas um espaço público com credibilidade para tal.